Arquivo | agosto 2010

Música de Jiz

Dando continuidade à seção Música de Jiz, postamos agora o clipe da música O Homem, interpretada por Roberto Carlos.

Ela traz uma bela mensagem sobre Jesus e passa a necessidade que temos em renovar as nossas atitudes.

Jiz no Atualpa

Nossa Casa faz 50 anos este ano. Todos já sabem e como em todo aniversário, o melhor é a comemoração, iniciaremos nesse sábado, no salão do Bloco A, as festividades. Compareçam, vai ser muito legal. Não percam!

Espiritismo e pipoca

Sinopse

O filme é baseado na história real do prodígio musical Nathaniel Ayers, que desenvolveu esquizofrenia no seu segundo ano na famosa escola de artes performáticas Juilliard, de Nova York. Ayers acabou como sem-teto nas ruas do centro de Los Angeles, onde toca violino e violoncelo.

 

Ficha Técnica

Título original:

O Solista (The Soloist)

2009

Direção:

Joe Wright

Roteiro:

Steve Lopez

Susannah Grant

Elenco:

Jamie Foxx (Nathaniel Ayers)

Robert Downey Jr. (Steve Lopez)

Catherine Keener (Mary Weston)

Tom Hollander (Graham Claydon)

Lisa Gay Hamilton (Jennifer)

Nelsan Ellis (David)

Stephen Root (Curt)

Justin Martin (Nathaniel – Age 13-16)

Angela Featherstone (Commuter #1)

David Jean Thomas (Jim Trotter)

Meggan Anderson (Paper Airplane Student)

Robyn Jean Springer (Disney Hall patron)

Matt Besser (Commuter #4)

Justin Rodgers Hall (Sgt. Harris)

Ilia Volok (Mr. Barnoff)

Alejandro Patino (Construction foreman)

Michael Bunin (Adam Crane)

Hallie Lambert (Ballerina)

Aurelius DiBarsanti (Paramedic)

Troy Blendell (New young editor)

Maggie Wagner (Mrs. Villaraigosa)

Rachael Harris (Leslie)

Jiz no Atualpa

  O JIZ e oGremio Espirita Atualpa Barbosa Lima convida a todos para o 30° Festival Interno de Músicas Espíritas do GEABL, que acontecerá este sábado (21 de agosto), às 20h.

  Confira as fotos do último Festival e venha prestigiar um pouco da Música Espírita!

 

 

Espiritismo e Pipoca

Amor Além da Vida (What Dreams May Come)

Elenco: Robin Williams, Cuba Gooding Jr., Annabella Sciora, Max Von Sydow.

Gênero: Romance

Ano: 1998

Direção: Vincent Ward

Sinopse: Chris Nielsen (Robin Williams), Annie (Annabella Sciorra), sua esposa, e os filhos do casal fazem uma família feliz. Mas os jovens morrem em um acidente e o casal é bastante afetado, principalmente Annie. No entanto, com o tempo, eles conseguem superar a morte dos filhos e levar suas vidas adiante.

Todavia, quatro anos depois, é a vez de Chris morrer em um acidente e ser mandado para o Paraíso. Mas não um Céu como o contado nas histórias religiosas. Lá, cada um tem um universo particular e o dele é uma pintura, que o faz lembrar sua esposa, a qual coordenava uma galeria de arte.

Enquanto tenta entender o Paraíso, onde tudo pode acontecer, Chris fica sabendo que Annie comete suicídio, por causa dos sofrimentos e da dor pela qual passava. Encorajado pelo seu amor, ele decide encontrá-la, mesmo sabendo que os suicida são enviado para outro lugar e que, caso consiga achar Annie, ela não irá reconhecê-lo.

A jornada se assemelha, em parte, à busca de Dante em a Divina Comédia, em que o protagonista busca a mulher amada andando pelos espaços mais distintos do além vida com o auxílio de alguém bem familiar…

Vale a pena conferir e se emocionar com a história.

Espiritismo e pipoca

“O Último Romance de Balzac” leva à Gramado obra supostamente psicografada

NEUSA BARBOSA Especial para o UOL, do Cineweb, de Gramado

 A atual onda espiritualista do cinema brasileiro chegou ao Festival de Gramado nesta noite de domingo (8), através do concorrente “O Último Romance de Balzac”, de Geraldo Sarno. Misto de documentário e ficção, o filme baseia-se em estudos sobre uma suposta obra psicografada do romancista francês Honoré de Balzac (1799-1850), o celebrado autor de “A Comédia Humana” e “As Ilusões Perdidas”.

Dois personagens principais ocupam a parte documental: o médico e médium Waldo Vieira, que psicografou em 1965 um suposto romance inédito de Balzac, intitulado “Cristo espera por ti”; e o psicólogo Osmar Ramos Filho, que analisa outro romance, este escrito em vida por Balzac, “A pele de Onagro” (1831), encontrando pontos de contato entre seu estilo e temas com a obra psicografada que, segundo ele, comprovariam a autoria do escritor nesta última.

A parte ficcional encena justamente trechos de “A pele de Onagro”, que são filmados dentro da estética do cinema mudo, em preto-e-branco, com intertítulos. Neste segmento, o protagonista, Raphael de Valentin, um artista obcecado pelo suicídio, é vivido pelo músico e cantor José Paes Lira, o Lirinha do extinto grupo Cordel do Fogo Encantado.

No debate desta tarde de segunda (9 de agosto), o diretor Geraldo Sarno (de “Viramundo” e “Tudo isto me parece um sonho”), rejeitou a classificação de seu filme como religioso. “Não sou espírita. A visão religiosa que há no filme é de Waldo Vieira, que respeito imensamente”. Indagado porque não mencionou que Vieira deixou o espiritismo pouco depois de ter lançado a obra psicografada “Cristo espera por ti”, Sarno afirmou que isto “ está fora do universo do filme”.

Outra questão sobre a ausência de especialistas não-espíritas, especialmente literários, em “O Último Romance de Balzac”, foi respondida pelo próprio Osmar Ramos Filho. Ele contou ter procurado o linguista Paulo Rónai, grande estudioso de Balzac, e este rejeitou a origem da obra psicografada. Rónai, de acordo com Ramos, teria dito: “Eu estaria louco se admitisse que Balzac escreveu qualquer coisa depois de 1850, ano de sua morte”.

Espiritismo e pipoca

NOSSO LAR 

De Francisco Candido Xavier

Estreia : 03 de setembro

 

 A maior produção cinematográfica do Brasil

Uma verdadeira superprodução com cenários virtuais magníficos que elevarão os filmes brasileiros ao topo junto com outros filmes de Hollywood. Estréia 3 de setembro sexta-feira. O filme vem para ajudar o cinema brasileiro, bem como o Espiritismo, que esta para o avanço moral-social da humanidade.

 

O filme é uma obra real e não de ficção. Basta de violência nas telas. É uma história de superação de valores espirituais. Nosso Lar pode ser o inicio de uma nova era no cinema brasileiro, vamos conferir.

O filme revela a escalada de um espírito, o próprio André Luiz, desde as regiões umbralinas em que foi lançado, logo após o desencarne, até o socorro e a gradativa recuperação em magnífica e muito bem organizada cidade espiritual, denominada “Nosso Lar”. A vida não cessa. A vida é fonte eterna e a morte é o jogo escuro das ilusões. Permutar a roupagem física não decide o problema fundamental da iluminação, como a troca de vestidos nada tem que ver com as soluções profundas do destino e do ser.”

É preciso muito esforço do homem para ingressar na academia do Evangelho do Cristo, ingresso que se verifica, quase sempre, de estranha maneira. Em “Nosso Lar”, mais tarde, trabalhando humildemente como enfermeiro auxiliar nas Câmeras de Retificação, o antigo e orgulhoso médico terreno aprende sobre si e os outros de forma totalmente inovadora, sepultando aos poucos, verdadeiramente, o “homem velho” que ainda trazia em si e abrindo caminho, assim, para o futuro médico de almas em que se transformaria.
Ciente das próprias deficiências, André Luiz observa, estuda, pergunta, luta, e supera-se, no sincero propósito de renovação íntima.

 Como desfecho surpreendente, consegue, afinal, licença de seus superiores para voltar à casa terrena, no intuito de rever os filhos e a esposa muito amada. Ao chegar, percebe profundas mudanças no antigo lar. A pior delas: a esposa havia contraído novas núpcias. Desespera-se fundamente. Não quer acreditar no que vê e ouve. Grita seu amor e sua saudade, porém ninguém o escuta. Está morto. Para o mundo e para a querida companheira de outrora. Mas o novo marido de Zélia está muito doente. A desencarnação está próxima. É então que André Luiz, mesmo em profundo desencanto, dá testemunho renovação a que se propôs enquanto em “Nosso Lar”...