Arquivo | outubro 2009

Jiz na cabeceira

Chico-Xavier-Boa-Nova

Boa Nova

Livro de Humberto de Campos, psicografia de Chico Xavier, trazido na década de 40. Escrito na década de 40, o livro conta com diversas histórias acerca da vida de Jesus e dos discípulos. Embora possa ser vislumbrada certa sequência entre as histórias, pode ser aberto e lido “ao acaso”, pois, cada uma encerra em si valiosos ensinamentos morais e se concluem em si mesmas de modo que a obra pode ser lida mesmo que de trás para frente.

Pelo fácil entendimento e por cada capítulo ser relativamente curto, é altamente recomendo para preparações de ambientes, todavia, não se exclui a possibilidade de um estudo mais continuado.

Vida do Autor

Humberto de Campos, nascido em Piritiba, Maranhão, no ano de 1886 denotava, desde cedo, uma inteligência não vulgar.

Tendo experimentado extrema pobreza na infância, somente por muito esforço e estudo conseguiu mudar-se para o Rio de Janeiro, capital do Brasil à época, onde sagrou-se jornalista e cronista de renome.

Além da coluna cativa no jornal em que trabalhava, Humberto de Campos, buscando dar maior notoriedade aos problemas sociais experimentados à época, começou a escrever diversas crônicas versando sobre pessoas reais do governo sob o codinome de Conselheiro XX.

Todavia, findou por adoecer. Fato este que mudou drasticamente seu estilo de escrita, tornando-o mais benevolente e sensível às dificuldades da pessoa humana. Seu novo estilo atraiu grande número de admiradores, principalmente na Bahia e em São Paulo, recebendo grande número de cartas em busca de consolação e socorro. Eventualmente, a doença agravou-se acometendo Humberto de graves dores e ocasionando a cegueira. Em 5 de dezembro de 1934, faleceu.

Vida Espiritual do Autor

Meses após o falecimento, Humberto retorna pelo jovem médium Chico Xavier (24 anos) e torna a escrever assinando o próprio nome. Tal medida causou alvoroço em todo Brasil, muitos jornalistas reconheceram publicamente a autenticidade de autoria pelo exame do estilo e a psicografia foi amplamente divulgada e festejada pelo retorno de Humberto aos olhos ávidos do público.

Nem tudo são flores e, tamanha foi a certeza da autoria pelo público que os familiares de Humberto, movidos pela quantidade de obras vendidas, ingressaram com ação judicial requerendo o direito sobre o lucro da venda dos livros. Embora a FEB tenha vencido a querela, Humberto de Campos se absteve por longa data de escrever vindo, somente mais tarde, a utilizar o médium Chico sob o pseudônimo de Irmão X (qualquer semelhança com o codinome outrora utilizado de “Conselheiro XX” é mera coincidência).

Obras encarnado: Poeira, poesia, 2 séries (1910 e 1917); Da seara de Booz, crônicas (1918); Vale de Josaphat, contos (1918); Tonel de Diógenes, contos (1920); A serpente de bronze, contos (1921); Mealheiro de Agripa, vária (1921); Carvalhos e roseiras, crítica (1923); A bacia de Pilatos, contos (1924); Pombos de Maomé, contos (1925); Antologia dos humoristas galantes (1926); Grãos de mostarda, contos (1926); Alcova e salão, contos (1927); O Brasil anedótico, anedotas (1927); Antologia da Academia Brasileira de Letras (1928); O monstro e outros contos (1932); Memórias 1886-1900 (1933); Crítica, 4 séries (1933, 1935, 1936); Os países, vária (1933); Poesias completas (1933); À sombra das tamareiras, contos (1934); Sombras que sofrem, crônicas (1934); Um sonho de pobre, memórias (1935); Destinos, vária (1935); Lagartas e libélulas, vária (1935); Memórias inacabadas (1935); Notas de um diarista, 2 séries (1935 e 1936); Reminiscências, memórias (1935); Sepultando os meus mortos, memórias (1935); Últimas crônicas (1936); Perfis, 2 séries, biografias (1936); Contrastes, vária (1936); O arco de Esopo, contos (1943); A funda de Davi, contos (1943); Gansos do capitólio, contos (1943); Fatos e feitos, vária (1949); Diário secreto, 2 vols. (1954).

Obras póstumas: Crônicas de Além-Túmulo; Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho; Boa Nova; Novas Mensagens; Luz Acima; Contos e Apólogos; Relatos da Vida; Estante da Vida; Cartas e Crônicas; Contos Desta e Doutra Vida; Pontos e Contos; Lázaro Redivivo; Reportagens de Além-Túmulo; entre outras.

Você no Grêmio

A Juventude Irmã Zélia trabalhando na Casa, que bonito :)

Nesse domingo, dia 25/10 foi registrado a participação da Juventude aos domingos na Evangelização. Nas fotos nas salinhas (sequência), tem a participação da Clara (1°Ciclo), Nathália (2° Ciclo), Larissa (eu, 3°Ciclo), Marcelo (3°Ciclo), e Juliana (3°Ciclo), César e Gabriela. Quem também ajuda bastante é o pessoal do Almoxarifado: Daniel (3°Ciclo), Karol (3°Ciclo) e Luan (2°ciclo)! Boa parte da Juventude colabora na evangelização, por isso, venha você também! Sua presença é importante para o Grêmio Espiríta Atualpa Barbosa Lima, porque ajudar o lugar aonde a gente aprende tantas coisas é sempre bom!

Jiz na cabeceira

os-mensageiros

Os Mensageiros

2º Livro da Coleção A Vida no Mundo Espiritual (Seguindo Nosso Lar)

Autor: André Luiz – Psicografia de Francisco Cândido Xavier

 

Resumo: André Luiz já está a um tempo na colônia espiritual de Nosso Lar trabalhando nas Câmaras de Retificação, todavia já não sente a mesma motivação e chamamento ao trabalho que nos primeiros momentos. Assim, Narcisa o aconselha a procurar nova tarefa e ele vai ao encontro de Tobias – companheiro espiritual e amigo – que o conduz a Aniceto e ao trabalho no Ministério das Comunicações…

André encontra novo labor e ânimo, conhece novas regiões do Plano Espiritual (próximas à colônia espiritual e ao plano terrestre) e passa a entender melhor o trabalho de encarnados e desencarnados na seara do bem.

 Um livro de 319 páginas de conhecimento, emoção e motivação. André continua a sua jornada pelo mundo espiritual e como divulgador da vida fora da matéria. Esclarece, ensina e convida à reflexão.

Personagens novos aparecem como Aniceto e Vicente – companheiros de caminhada imprescindíveis ao crescimento do narrador e que trazem lições importantes de conduta, amor e trabalho.

Ah… Detalhe, o livro já foi adaptado para o teatro com apresentações em Brasília, Curitiba e diversas outras cidades pelo Brasil afora.

Uma grande obra de difusão do espiritismo e que nos passa a importância do trabalho no caminho ensinado por Cristo. Vale à pena ler e reler sempre que possível!

Você no Jiz!!

Gabriel

Gabriel Castellano Marques

15 anos, 2ºCiclo.

Aniversário: 14/02

Cor: Azul;

Fruta: Maçã;

Filme: ‘Um Ato de Coragem’;

Música: Plain White;

Comida: Churrasco;

Time: Fluminense;

Hobbies: Futebol;

Há quanto tempo você é espírita?

Desde a infância.

O que você acha da Juventude?

Importante, porque aqui você aprende a parte moral, enquanto na escola você aprende a parte intelectual.

O que você acha que poderia mudar na Juventude?

Ah, deveria ter mais cine pipoca.

Uma frase pra encerrar:

“Sem sacrifício não há vitória”.

Espiritismo no dia-a-dia

Nasa acha molécula orgânica em planeta fora do Sistema Solar

da Folha Online

21 de outubro de 2009 (sugestão de nosso querido Lucas Albuquerque)

Pesquisadores da Nasa (agência espacial norte-americana) anunciaram a descoberta de química básica para a vida em um segundo e novo planeta quente e gasoso, muito distante do nosso Sistema Solar. Feito na terça-feira (20), o anúncio da pesquisa também informa que isso permite aos astrônomos avançar quanto a identificar planetas onde a vida possa existir.

O planeta, que leva o nome de HD 209458b, não é habitável, mas possui a mesma química que, se encontrada em um planeta rochoso no futuro, pode indicar a presença de vida.

“É o segundo planeta fora do nosso Sistema Solar em que água, metano e dióxido de carbono foram encontrados –elementos importantes para processos biológicos em planetas habitáveis”, disse o pesquisador Mark Swain, do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa. “A descoberta de componentes orgânicos nos dois exoplanetas já traz a possibilidade de que será corriqueiro encontrar planetas com moléculas que podem ser vinculadas à vida.”

Os pesquisadores usaram dados de dois observatórios em órbita: os telescópios espaciais Hubble e Spitzer, para estudar o HD 209458b –que, além de quente e gasoso, é gigante (maior do que Júpiter) e orbita em uma estrela semelhante ao Sol por volta de 150 anos-luz de distância da Terra, na constelação de Pegasus.

Sequencial

A descoberta segue a uma outra, ocorrida em dezembro de 2008, que mostrou a presença de dióxido de carbono (CO2) em outro planeta do tamanho de Júpiter, o HD 189733b. Observações anteriores do Hubble e do Spitzer também tinham revelado que o planeta contém água em vapor e metano.

Para rastrear as moléculas orgânicas, a Nasa usou espectroscópios, instrumentos que dividem a luz em componentes para mostrar a “assinatura” de diferentes elementos químicos. Dados da câmera infravermelha do Hubble e do espectrômetro de multiobjetos mostraram a presença de moléculas, e dados do fotômetro e do espectrômetro infravermelho do Spitzer mediram as respectivas quantidades.

“Isso demonstra que nós podemos identificar as moléculas importantes nos processos de vida”, disse Swain. Os astrônomos podem, a partir de agora, comparar as duas atmosferas de ambos os planetas, pelas diferenças e similaridades. Por exemplo: as quantidades de água e dióxido de carbono relativas a ambos os planetas são similares, mas o planeta HD 209458b mostra ter metano em abundância, quando comparado com o HD 189733b. “A alta abundância de metano está nos dizendo alguma coisa”, disse Swain. “Pode significar que houve algo especial sobre a formação deste planeta.”

“A detecção de compostos orgânicos não significa necessariamente que há vida em um planeta, porque existem outras formas para a geração destas moléculas”, disse Swain. “Se detectamos compostos químicos orgânicos em um planeta rochoso como a Terra, nós vamos entender o suficiente sobre o planeta para descartar processos sem vida que poderiam ter conduzido os elementos químicos até lá.”

Química básica para a vida foi encontrada no exoplaneta HD 209458b (na foto, em concepção artística)

Química básica para a vida foi encontrada no exoplaneta HD 209458b (na foto, em concepção artística)

 

Visão Espírita:

1. Que não se perturbe vosso coração. Credes em Deus, crede também em mim. Há muitas moradas na casa de meu Pai; se assim não fosse, eu já vos teria dito, pois me vou para vos preparar o lugar. E após ter ido e vos preparado o lugar, eu voltarei, e vos retomarei para mim, a fim de que lá, onde eu estiver, vós estejais também. (João, 14:1 a 3)

PLURALIDADE DOS MUNDOS (Capítulo III de O Livro dos Espíritos: A criação)

 55 Todos os globos que circulam no espaço são habitados?

– Sim, e o homem da Terra está longe de ser, como pensa, o primeiro em inteligência, bondade e perfeição. Entretanto, há homens que se julgam superiores a tudo e imaginam que somente este pequeno globo tem o privilégio de ter seres racionais. Orgulho e vaidade! Acreditam que Deus criou o universo só para eles.

 Deus povoou os mundos com seres vivos, todos convergindo para o objetivo final da Providência. Acreditar que só existem seres vivos no planeta que habitamos seria colocar em dúvida a sabedoria de Deus, que não faz nada inútil. A cada um desses mundos Deus deve ter dado uma destinação mais séria do que divertir as nossas vistas. Nada, aliás, nem pela posição, nem pelo volume, nem pela constituição física da Terra, pode razoavelmente fazer supor que seja a única a ter o privilégio de ser habitada, com exclusão de tantos milhares de mundos semelhantes.

56 A constituição física dos diferentes globos é a mesma?

– Não. Não se assemelham em nada.

57 Como a constituição física dos mundos não é a mesma, podemos concluir que os seres que os habitam têm corpos e uma organização diferente?

– Sem dúvida, como entre vós os peixes são feitos para viver na água e os pássaros, no ar.

58 Os mundos mais afastados do Sol são privados da luz e do calor, já que o Sol apenas se mostra para eles com a aparência de uma estrela?

– Acreditais então que não há outras fontes de luz e de calor além do Sol, e não considerais o valor e a importância da eletricidade que, em alguns mundos, desempenha um papel que vos é desconhecido e muito mais importante do que na Terra? Aliás, já dissemos que os seres desses mundos não são nem da mesma matéria nem têm os órgãos dispostos como os vossos.

As condições de existência dos seres que habitam os diferentes mundos devem ser apropriadas ao meio em que vivem. Se nunca tivéssemos visto peixes, não compreenderíamos que seres pudessem viver na água. É assim em outros mundos, que contêm, sem dúvida, elementos que nos são desconhecidos. Não vemos, na Terra, longas noites polares iluminadas pela eletricidade das auroras boreais? O que há de impossível em que, em certos mundos, a eletricidade seja mais abundante do que na Terra e tenha aplicações e funções, cujos efeitos não podemos compreender? Esses mundos podem, portanto, conter em si mesmos as fontes de calor e de luz necessárias aos seus habitantes.

Ver também o Capítulo III de O Evangelho Segundo o Espiritismo

Jiz da semana

gandhi
“Aprenda como se fosse viver para sempre.Viva como se fosse morrer amanhã.”
                                                                                                                                  Gandhi

Espiritismo no dia-a-dia

Mais de um milhão de pessoas vão às ruas em Madri contra o aborto

Da Reuters

Mais de um milhão de pessoas se manifestaram neste sábado (17), em Madri, contra o projeto de liberalização do aborto do governo socialista aos gritos de “aborto não! sim à vida”, segundo diversas fontes.

Os organizadores anunciaram várias estimativas de participação até ser fixada, definitivamente, em dois milhões de pessoas, enquanto que a região de Madri, governada pelos conservadores, divulgou a cifra de 1,2 milhão de participantes.

A manifestação começou às 17h local (12h de Brasília), tendo sido concluída no centro da capital espanhola duas horas depois.

O projeto de lei socialista, que reforma uma lei de 1985, prevê, principalmente, liberdade total para abortar em um prazo de 14 semanas de gravidez.

Atualmente, o aborto é autorizado apenas em caso de estupro (até 12 semanas de gravidez), má-formação do feto (22 semanas) ou “perigo para a saúde física ou mental da mãe” (sem limitação de tempo).

Uma verdadeira maré humana invadiu o centro da capital espanhola: pessoas idosas, pais e mães levando crianças em carrinhos, grupos de adolescentes com camisetas pintadas e faixas vermelhas com os dizeres “Direito à vida”, além de religiosas e sacerdotes.

O projeto de lei aprovado no dia 26 de setembro pelo governo e que será debatido a partir de novembro no Parlamento, se inspira na legislação em vigor na maior parte dos países da União Europeia.

Um grande cartaz abria a manifestação proclamando: “Cada vida conta”.

A ministra socialista da Igualdade, Bibiana Aido, uma das incentivadores do polêmico projeto de lei, exprimiu “respeito total” à passeata, afirmando, no entanto, que “ninguém tem o monopólio da moral”. “Nenhuma mulher pode ser penalizada por tomar uma decisão tão difícil como é a de fazer um aborto”, declarou.

A manifestação foi convocada pelo Fórum da Família, uma plataforma de organizações católicas conservadoras, que já havia levado centenas de milhares de manifestantes às ruas em 2005 contra a lei autorizando o casamento homossexual.

O projeto contém dispositivo muito polêmico, mesmo entre o eleitorado de esquerda: menores de 16 e 17 anos poderão abortar livremente sem o consentimento nem informação prévia dos pais.

Espiritismo no dia-a-dia II

Abortos matam 70 mil mulheres por ano no mundo

 LONDRES (Reuters) – A difusão de anticoncepcionais reduziu a taxa de abortos no mundo, mas a prática ainda mata 70 mil mulheres por ano e causa danos ou sequelas em milhões de outras, segundo um relatório divulgado na terça-feira.

 Embora muitos países estejam facilitando o acesso ao aborto, ainda que com restrições, o número de interrupções de gravidez caiu de cerca de 45,5 milhões em 1995 para 41,6 milhões em 2003, de acordo com o estudo do Instituto Guttmacher, dos Estados Unidos.

 Mas o relatório aponta um número ainda elevado – quase 20 milhões – de abortos precários, a maioria em países pobres e realizados pelas próprias gestantes, que usam medicamentos inadequados ou poções vegetais, ou então por curandeiros sem treinamento específico.

 “É trágico que, embora a taxa geral de abortos esteja em declínio, o aborto inseguro não tenha declinado”, disse Sharon Camp, presidente do Instituto Guttmacher, que estuda a saúde sexual e reprodutiva.

 “Restrições legais não impedem o aborto, simplesmente tornam o procedimento perigoso. Muitas mulheres são mutiladas ou mortas a cada ano por não terem acesso ao aborto legal”, disse ela numa entrevista coletiva em Londres.

 ANTICONCEPCIONAIS BARATOS

 Os pesquisadores dizem que 40 por cento das mulheres ainda vivem em países onde o aborto é altamente restrito. Eles defenderam um maior esforço para melhorar o acesso a anticoncepcionais que poderiam evitar parte das 76 milhões de gestações indesejadas por ano.

 Eles disseram também que no mundo em desenvolvimento o atendimento a mulheres que sofrem lesões devido a abortos arriscados custa cerca de meio bilhão de dólares.

 “Por trás de cada aborto está uma gravidez indesejada”, disse Akinrinola Bankole, diretor de pesquisas internacionais do Guttmacher.

 Na opinião dele, as nações em desenvolvimento e os países doadores deveriam olhar as cifras, que demonstram claramente que “prevenir a gravidez indesejada tem uma boa relação custo-benefício”.

 Na Nigéria, por exemplo, um estudo recente mostrou que os custos de tratar mulheres por causa de complicações resultantes de abortos malsucedidos é de cerca de 19 milhões de dólares por ano, e que bastaria 4,8 milhões de dólares para fornecer anticoncepcionais a todas as mulheres que os desejassem.

 Os pesquisadores admitiram que não é realista evitar totalmente a necessidade de abortos, mas que melhorar o acesso a anticoncepcionais e pressionar pela retirada de restrições ao aborto é uma meta válida em nível global.

 “As mulheres vão continuar a buscar o aborto se ele for seguro, e não enquanto a demanda não-atendida pela contracepção continuar elevada”, disse Camp. “Com suficiente vontade política, podemos garantir que nenhuma mulher tem de morrer a fim de acabar com uma gravidez que ela nem desejou nem planejou”.

Camp citou a Holanda como exemplo e disse esperar que a taxa global um dia caia dos 29 abortos por cada mil mulheres com idade entre 15 e 44 anos, para cerca de 10 por mil, a taxa registrada na Holanda.

Espiritismo no dia-a-dia III

Expansão do uso de anticoncepcionais derruba taxa de abortos no mundo

Da EFE

Londres, 13 out (EFE).- Graças à difusão do uso de anticoncepcionais, à melhora dos programas de planejamento familiar e ao relaxamento das leis, o número de abortos no mundo caiu 9% entre 1995 e 2003, segundo um estudo apresentado hoje pelo Instituto Guttmacher, em Londres.

 

Sob o título “O Aborto no Mundo: Uma Década de Progresso Desigual”, o relatório indica que essa tendência positiva foi detectada tanto nos países desenvolvidos quanto naqueles em vias de desenvolvimento, exceto na África, onde continua um assunto pendente.

 

Na opinião da diretora-executiva do Instituto Guttmacher, Sharon Camp, a conclusão principal que pode ser retirada do estudo é que “dar às mulheres os meios necessários para decidir por elas mesmas quando ficar grávidas reduz a incidência de gravidez não desejada e, portanto, o número de abortos”.

 

Em nível global, o dado mais positivo é que o número de intervenções para interromper voluntariamente a gravidez passou de 45,5 milhões em 1995 a 41,6 milhões em 2003, uma redução que os pesquisadores atribuem, além da expansão do uso de diferentes métodos anticoncepcionais, à progressiva liberalização das leis sobre o aborto nos últimos 15 anos.

 

No entanto, preocupa especialmente que quase 50% dos abortos praticados em 2003 estão dentro dos denominados “clandestinos”, ou seja, não contaram com a supervisão nem as garantias médicas adequadas.

 

Segundo o estudo, 70 mil mulheres morrem no mundo a cada ano ao tentar interromper a gestação por métodos pouco ou nada ortodoxos, nos quais muitas vezes é a própria que fica encarregada de provocar o aborto.

 

Este tipo de prática ocorre, sobretudo, na América Latina e na África, duas áreas geográficas onde a lei é especialmente dura neste sentido e que, em alguns casos, não permite o aborto nem mesmo para salvar a vida da mãe.

 

Este é o caso de El Salvador e Nicarágua, dois dos três únicos países do mundo que, durante os últimos 15 anos, aumentaram o rigor em relação ao aborto, até proibi-lo sob qualquer circunstância.

 

O terceiro país em questão é a Polônia, que em 1997 reforçou a lei do aborto e permite a interrupção da gravidez com condições (má-formação do feto, estupro e risco para a mãe), um recurso muito difundido nos países desenvolvidos, no meio do caminho entre a proibição absoluta e a total liberalização.

 

Neste amplo espectro, está a Espanha neste momento, à espera da aprovação definitiva da nova lei do aborto, que estabelece a livre interrupção da gestação até a 14ª semana e define em 16 anos a maioridade para decidir realizar ou não a intervenção, gerando nos últimos meses duras críticas dos setores mais conservadores do país.

 

Neste sentido, a doutora Kelly Culwell, assessora da Federação Internacional de Planejamento Familiar (IPPF, e inglês) mostrou seu apoio à reforma e explicou a Agência Efe que “qualquer lei que torne mais fácil e rápido o recurso ao aborto seguro é boa”.

 

“As leis restritivas só conseguem atrasar o processo e fazer com que o número de abortos durante o segundo trimestre aumente, o que representa um maior risco para a saúde da mãe”, disse Culwell.

 

Além disso, na sua opinião, a nova lei evitará que muitas jovens tenham que ir a outros países para fazer a interrupção da gravidez, dando espaço ao “turismo do aborto”.

 

Em qualquer caso, a diretora do Instituto Guttmacher afirma que o avanço registrado nos últimos anos na maior parte do mundo “é muito modesto em relação ao que se pode alcançar com mais investimento em políticas de planejamento familiar”.

 

Por isso, reivindica que legisladores, serviços sociais e de saúde, empresas farmacêuticas e educadores façam sua parte em um delicado assunto que ameaça a vida e a liberdade sexual de milhões de mulheres a cada ano. EFE