Archive | maio 9, 2009

Espiritismo no Dia-a-Dia

deus

Ateus adotam nova estratégia: ir a público
 
Laurie Goodstein, The New York Times

Em Charleston (Carolina do Sul)

Dois meses após uma organização ateia local colocar um cartaz dizendo: “Você não acredita em Deus? Você não está sozinho”, os 13 membros do conselho do grupo reuniram-se na sala de Laura e Alex Kasman para lidar com as consequências.

O problema não foi que o grupo, os Humanistas Seculares de Lowcountry, tinha virado alvo de hostilidades. Foi o oposto. Mais de 100 pessoas apareceram para seu simpósio público, e os membros do conselho estavam discutindo se não era hora de encontrar um espaço maior.

 E agora os pais estão pedindo programas orientados para a família, nos quais possam se reunir com outros ateus de mente parecida. “Todo mundo é a favor de patrocinar um piquenique para humanistas com famílias?”, perguntou o presidente do conselho, Jonathan Lamb, meteorologista de 27 anos, ouvindo um coro de “sim”.

Mais do que nunca, os ateus dos EUA estão se unido e se expondo – mesmo aqui na Carolina do Sul, lar da Universidade Bob Jones, das Leis Blue e de uma câmara legislativa que no ano passado aprovou unanimemente uma placa de carro cristã com uma cruz, uma janela de vitrais e as palavras “Eu Acredito”. (A medida foi vetada por um juiz e agora irá a julgamento.)

 Eles estão se conectando via Internet, fazendo reuniões em bares, colocando anúncios em cartazes e ônibus, se voluntariando para cozinhas comunais, catando lixo na beira da estrada e conquistando o reconhecimento de grupos ateus em avisos para adotar uma estrada. Eles comparam sua estratégia com a do movimento dos direitos homossexuais, que cresceu quando os membros da minoria marginalizada decidiram ir a público

“Não é uma questão de protestar. A coisa mais importante é sair do armário”, disse Herb Silverman, professor de matemática do Colégio de Charleston, que fundou o grupo dos Humanistas Seculares de Lowcountry, que tem cerca de 150 membros na costa das Carolinas.

As pesquisas mostram que as fileiras de ateus estão crescendo. Na Pesquisa de Identificação Religiosa Americana, grande estudo publicado no mês passado, o único grupo demográfico que cresceu em todos os 50 Estados nos últimos 18 anos foi o dos “sem religião”.

Nacionalmente, os “sem religião” na população quase dobraram, de 8% em 1990 para 15% em 2008. Na Carolina do Sul, eles mais do que triplicaram, de 3% para 10%. Nem todos os “sem religião” são necessariamente ateus ou agnósticos fervorosos, mas perfazem uma amostra de possíveis patrocinadores do movimento.

 Apesar da mudança de atitude, as pesquisas continuam mostrando que os ateus têm classificação inferior a qualquer outra minoria ou grupo religioso quando se pergunta aos americanos se votariam em alguém do grupo ou aprovariam o casamento de seu filho com um membro daquele grupo.

 Loretta Haskell, a musicista de uma igreja, disse: “Em certa altura, perguntei-me se deveria ou não fazer música nas igrejas, dada minha posição. Mas, ao mesmo tempo, gosto de usar minha música para elevar as pessoas, para dar-lhes conforto. E o que descobri foi que não sou uma humanista que acha que a religião é uma coisa ruim.”

Posição da Doutrina Espírita

Este tema – a crença na existência de Deus como inteligência superior e princípio criador de tudo – é tão importante no Espiritismo que abre os princípios básicos da Doutrina e o primeiro capítulo de “O Livro dos Espíritos”, obra inaugural da Codificação Kardequiana.

1 O que é Deus?
– Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas.

Mais à frente, Kardec indaga dos espíritos:
.
4 Onde podemos encontrar a prova da existência de Deus?
– Num axioma que aplicais às vossas ciências: não há efeito sem
causa. Procurai a causa de tudo o que não é obra do homem, e a vossa
razão vos responderá.
G Para acreditar em Deus, basta ao homem lançar os olhos sobre as
obras da criação. O universo existe, portanto ele tem uma causa. Duvidar
da existência de Deus seria negar que todo efeito tem uma causa e
admitir que o nada pôde fazer alguma coisa.
Novamente Kardec, com seus espírito científico e inquiridor, argumenta:

7 Poderemos encontrar a causa primária da formação das coisas
nas propriedades íntimas da matéria?

– Mas, então, qual teria sido a causa dessas propriedades? Sempre é
preciso uma causa primária.
G Atribuir a formação primária das coisas às propriedades íntimas
da matéria seria tomar o efeito pela causa, porque essas propriedades
são elas mesmas um efeito que deve ter uma causa.

8 O que pensar da opinião que atribui a formação primária a uma
combinação acidental e imprevista da matéria, ou seja, ao acaso?
– Outro absurdo! Que homem de bom senso pode conceber o acaso
como um ser inteligente? E, além de tudo, o que é o acaso? Nada.
G A harmonia que regula as atividades do universo revela combinações
e objetivos determinados e, por isso mesmo, um poder inteligente.
Atribuir a formação primária ao acaso seria um contra-senso, porque o
acaso é cego e não pode produzir os efeitos que a inteligência produz.
Um acaso inteligente não seria mais um acaso.

9 Onde é que se vê na causa primária a manifestação de uma
inteligência suprema e superior a todas as inteligências?

– Tendes um provérbio que diz: “Pela obra reconhece-se o autor.”
Pois bem: olhai a obra e procurai o autor. É o orgulho que causa a incredulidade.
O homem orgulhoso não admite nada acima dele; é por isso que
se julga um espírito forte. Pobre ser, que um sopro de Deus pode abater!
G Julga-se o poder de uma inteligência por suas obras. Como nenhum
ser humano pode criar o que a natureza produz, a causa primária
é, portanto, uma inteligência superior à humanidade.
Quaisquer que sejam os prodígios realizados pela inteligência humana,
essa inteligência tem ela mesma uma causa e, quanto mais grandioso for
o que ela realize, maior deve ser a causa primária. É essa inteligência
superior que é a causa primária de todas as coisas, qualquer que seja o
nome que o homem lhe queira dar.

Por fim, mas ainda no primeiro capítulo, a esperança de dias melhores, nas palavras dos benfeitores espirituais.
11 Um dia será permitido ao homem compreender o mistério da
Divindade?
– Quando seu Espírito não estiver mais obscurecido pela matéria e,
pela sua perfeição, estiver mais próximo de Deus, então o verá e o compreenderá.
G A inferioridade das faculdades do homem não lhe permite compreender
a natureza íntima de Deus. Na infância da humanidade, o homem O
confunde muitas vezes com a criatura, da qual lhe atribui as imperfeições;
mas, à medida que o senso moral nele se desenvolve, seu pensamento
compreende melhor o fundo das coisas e ele faz uma idéia de Deus mais
justa e mais conforme ao seu entendimento, embora sempre incompleta.

Anúncios

O Jiz quer saber

42-15244276

Você sabe o que é uma criança índigo?