Archive | abril 24, 2009

ESPIRITISMO NO DIA-A-DIA

lagrimas1Isto É 8 de abril de 2009

Sexo cada vez mais cedo
Vídeo erótico com crianças veiculado na internet provoca escândalo e alerta para os riscos da sexualidade precoce

Suzane Frutuoso, de Ibirubá (RS)

 A pequena cidade gaúcha de Ibirubá é um daqueles lugares onde o tempo parece passar mais devagar. Lá todas as famílias se conhecem, as pessoas se cumprimentam pelo nome e a população pode circular à vontade pelas ruas, com praças arborizadas e casas coloridas que ajudam a compor um cenário bucólico. Tamanha placidez foi abalada há três semanas, quando explodiu na internet um vídeo de sexo explícito cujos protagonistas eram moradores da cidade: A., um garoto de 14 anos, e K., uma menina de 11. Durante as férias escolares, numa tar de quente de fevereiro, o adolescente se reuniu com três companheiros da mesma idade para jogar videogame na casa de um deles. Não havia adultos no local, os pais do menino estavam trabalhando. Minutos depois, a menina K. ligou para um dos garotos, perguntando se poderia encontrá- los. Chegando lá, o casal foi para o quarto e chamou um dos amigos para filmar a “brincadeira” com o celular. Dias depois, o vídeo de 12 minutos vazava na internet e a inconsequência do gesto passou a ser de domínio público. A história que abalou o município de 19 mil habitantes choca pela tenra idade dos envolvidos e pelo conhecimento deles sobre um ato que requer maturidade física e psicológica para ser realizado com prazer e segurança. E ecoa no País como um alerta para a urgência de a sociedade refletir sobre o acesso das crianças a informações que estimulam a sexualidade precoce.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, de 1996 a 2006 o percentual de garotas que perderam a virgindade até os 15 anos saltou de 11% para 33%. Nesta mesma faixa, 47% dos meninos já tiveram sua iniciação. “A erotização está começando cada vez mais cedo e de forma intensa”, afirma a psicopedagoga Qué zia Bombonatto, de São Paulo. “A fase de experimentação começa mais cedo e tudo é permitido.”

Especialistas são unânimes: na esteira do contato prematuro com o sexo vem uma série de problemas. Entre eles, não ter prazer (e se cobrar por isso), associar o sexo a algo errado e ruim, a gravidez indesejada, doenças sexualmente transmissíveis e dificuldades de relacionamento. A situação causa até impactos fisiológicos, acelerando a ebulição hormonal. A primeira menstruação das meninas, por exemplo, cai cerca de seis meses a cada geração. Hoje está em 12 anos, segundo o Ministério da Saúde.

 “Uma vida sexual saudável abaixo dos 14 anos é muito difícil”, explica o ginecologista Gerson Lopes, coordenador da Associação S.a.b.e.r. – Saúde, Amor, Bemestar e Responsabilidade. “Eles não estão preparados e a primeira vez acontece sem privacidade, carinho e prevenção.” É preocupante observar que o “ficar” está incluindo o sexo, afirma o médico. “Os jovens estão virando prisioneiros da própria liberdade, com angústias por não alcançarem o ideal distorcido de sexo que estão aprendendo.” Tanta insegurança os leva a cometer erros mais facilmente, como esquecer de usar o preservativo.

“Existe uma crença de que a mulher sexy e bela se dá bem na vida, tem mais chances de sucesso”, diz a psicopedagoga Maria Irene Maluf. “É um mecanismo que alimenta a sexualidade antes da hora.”

Ainda que família e escola se esforcem, uma cultura popular recheada de apelos sexuais complica a situação. Letras de música, filmes, novelas, seriados de tevê apimentados e até o excesso de vaidade na busca por perfeição física permeiam o cotidiano de crianças e adolescentes. “E o tesão é uma força avassaladora da natureza”, diz a educadora sexual Maria Helena Vilela, diretora do Instituto Kaplan, de São Paulo. A saída para que esse sentimento poderoso aflore na hora certa é impedir ao máximo que a garotada tenha contato com o bombardeio erótico.

 

Posição da Doutrina Espírita sobre o tema:

No livro Vida e Sexo, Emmanuel alerta-nos para a importância da energia sexual e do seu adequado direcionamento como uma conquista no processo evolutivo do ser. Afirma-nos o autor espiritual:” Nos seres primitivos, situados nos primeiros degraus da emoção e do raciocínio, e, ainda, em todas as criaturas que se demoram voluntariamente no nível dos brutos, a descarga de semelhante energia se opera inconsideradamente. Isso, porém, lhes custa resultados angustiosos a lhes lastrearem longo tempo de fixação em existências menos felizes, nas quais a vida, muito pouco a pouco, ensina a cada um que ninguém abusa de alguém sem carrear prejuízo a si mesmo.”

Observamos que a fala do autor espiritual, que data dos anos 70 do século passado, já alertava quanto a necessidade de cada espirito conhecer e dominar  sua energia sexual, sem deixar-se governar simplesmente pela ditadura dos sentidos, como estamos observando nos dias atuais.

Manoel Philomeno de Miranda na obra: Sexo e Obsessão, discorre sobre os dias atuais e a crise de valores que presenciamos, afirmando” É natural que, num momento de transição de valores, campeiem o absurdo e o fantasioso, tentando adquirir cidadania moral, ao tempo em que empurram os cidadãos na direção do fosso da promiscuidade e do desespero, (…)

Torna-se indispensável quão imediata um nova ética-moral, a fim de que valores nobres granjeados pela sociedade no curso dos milênios, não se percam no chafurdar das paixões e no desprestígio das instituições, como o matrimônio, a família, a castidade, a saúde comportamental (…)”

Ante a seriedade do tema, cabe-nos indagar a responsabilidade de pais, educadores e da sociedade em geral quanto a proliferação de uma cultura sexólatra e consumista, que reduz as pessoas e as relações a simples troca de mercadoria e de prazer, onde quem tem “mais atraentes atributos” torna-se o alvo do assédio, bem como pode utilizar seus predicados para obtenção de vantagens e privilégios.

É fato que o acesso a informação tornou bem mais complexa a atuação da família, que em épocas passadas poderia simplesmente omitir-se quanto à discussão de temas considerados constrangedores. Por outro lado, não se pode simplesmente atribuir à mídia a única responsabilidade pelo estado atual no que se refere ao tema sexualidade.

A sociedade, de forma geral, não soube realizar as conquistas adequadas advindas com a construção de um novo modelo familiar,  que mostrou a necessidade de maior valorização da mulher, resgatando-lhe direitos sociais e dentro da família; no entanto, para muitos esta nova visão apenas reduziu-se a uma nova possibilidade, a plena liberalização sexual, que trouxe para o comportamento feminino a adoção de condutas sexuais consideradas reprováveis, como a promiscuidade, a infidelidade, como se estas fossem conquistas para aumentar o valor da mulher na sociedade, de modo geral.

A Terra vive a sua grande transição de mundo de expiação e provas para um mundo de regeneração, como nos afirma Philomeno de Miranda “ (…) Este é, pois, o grande momento para todos nós, que aspiramos uma vida melhor e mais ditosa.

Reflexionar e agir de maneira correta em relação às funções sexuais é dever de todo ser que pensa e que compreende a finalidade da existência.

Nesta hora de conturbação moral e de violência, de agressividade e de aberrações sexuais, de descontrole geral e de sofrimento de todo porte, cumpre-nos, a todos, somar esforços em favor dos princípios da dignidade huamna e da honradez, do equilíbrio no comportamento e da educação das gerações novas, único meio de oferecer ao futuro uma sociedade menos conturbada e deslindada dos terríveis cipoais da obsessão. À educação moral cabe a tarefa de construir um novo homem e uma nova mulher, que formarão uma nova e saudável sociedade para o porvir.”

Anúncios

JIZ – Grandes Encontros! [Cont]

“Caminho, Verdade e Vida. Nosso grito de guerra era o pior, éramos apenas seis pessoas, a nossa camiseta era aquela de político, sabe, pintada a mão, com um desenho verde horroroso. Só que as pessoas eram muito animadas. A gene pulou o tempo todo, demos o sangue nas provas e no final ganhamos de longe. Esse foi inesquecível! Acho que a proposta da Big Gincana deveria voltar. Afinal desafio e concorrência a gente tem a vida inteira e a gincana era é uma ótima escola para aprendermos a lidar com essas situações na rua. A interação é uma das melhores partes. Além de dar a oportunidade das pessoas conhecerem os trabalhos da casa e tornarem-se trabalhadores depois. O pessoal fala que acabou virando Big Encontro porque não tem mais espaço pra fazer as provas do dia e tal, mas eu acho que é tudo uma questão de adaptação e vontade. Gosto do Big Encontro, mas a Big Gincana…Muito Melhor!!”
Felipe Vaz – 3 Ciclo.

daniel-gomes-e-marcelo-vaz.jpg

Felipe Vaz, 20 anos, 3º Ciclo.“Com certeza a melhor Big Gincana foi Keoh (Caridade é o que há) X Sede Perfeitos. Foi a Big Gincana que rolou uma maior competitividade, a galera deu o sangue mesmo, todo mundo se conheceu e rolou uma interação bem bacana entre os ciclos. Os laços de amizades ficaram mais fortes. Pena que Sede Perfeitos ganhou no final. Mas eles sabem que a nós fomos os grandes vencedores (Daniel). Imagine, grandes vencedores…no final foi a gente quem ganhou não foi?!?Aquela foi a melhor Big Gincana, porque todo mundo levou a sério, participou e até hoje tem muita história pra contar. (Marcelo)

Daniel Gomes, 20 anos, 3º Ciclo. Marcelo Vaz, 20 anos, 3º Ciclo.    

JIZ – Grandes Encontros!

Vem aí 1º de Maio! Quem frequenta ou já passou pela Juventude sabe bem que todo ano nessa data (ou perto dela) acontece o nosso encontro de jovens que já foi chamado de Big Gincana e que hoje é apenas o Big Encontro!
Como estamos bem próximos desse dia de festa e bastante descontração, fomos perguntar a alguns jovens “Qual foi seu encontro de jovens inesquecível?” Não foram muitos os entrevistados, mas tivemos cada resposta… Confiram, Divirtam-se e Preparem-se, porque o próximo está cada vez mais próximo…

Alguns depoimentos ..Mariana Rodarte.

“Ah, cada encontro tem a sua história! Já párticipei de vários, mas nos últimos anos não pude vir. Esse ano com certeza vou participar! Detalhe: nunca ganhei, mas tá valendo. Me lembro bem da Equipe Mostarda com o nosso lema: “Nóis tarda mas não falha!” E é claro os “Naza, Nazarenos”, isso porque eu era a única menina! Acho que o Big Encontro é uma ótima interação entre os jovens e une o útil ao agradável. Além disso, acho que é uma ótima oportunidade ao pessoal que tá chegando, os meninos do 1º Ciclo, porque além de entrosá-los com os outros jovens é uma forma de mostrar que a prática da caridade é acessível a todos.”

Mariana Rodarte, 20 anos, 3ºCiclo. 

 

 

Fernanda e Pedro Lima

 

“No outro centro que nós freqüentávamos não tinha essas coisas. A gente chegou aqui bem na época, e isso foi ótimo para a gente se entrosar com o pessoal. Aqui todo mundo é animado tem interação (Fernanda). A primeira vez que nós participamos foi ano passado e eu adorei principalmente porque minha equipe ganhou! Esse ano com certeza vamos vir de novo (Pedro).” 

Fernanda Lima, 16 anos, 2º Ciclo e Pedro Lima, 14 anos, 1ºCiclo.

 

 

Daniel Ferreira

 

“Frequento o GEABL a mais ou menos 8 anos, mas nunca participei de nenhum Big Encontro nem Big Gincana, na época que era Big Gincana. Nunca me interessei, e quase sempre já tinha marcado alguma coisa no feriado. Mas esse ano, pode ser que eu vá se não tiver nada pra fazer.” 

 Daniel Ferreira, 17 anos, 2º Ciclo