Archive | abril 17, 2009

Espiritismo e pipoca

 

 

foto: Os outros

foto: Os outros

 

 

Os Outros

( The Others, EUA –  2001)

Atores:
Nicole Kidman (Grace)
Christopher Eccleston (Charles)
Fionnula Flanagan (Sra. Mills)
Elaine Cassidy (Lydia)
Eric Sykes (Sr. Tuttle)

Direção: Alejandro Amenábar

 

Nicole Kidman está no papel de Grace, uma mulher que, nos anos 40, mora com seus filhos em um isolado casarão na costa inglesa, enquanto seu marido está na guerra. As crianças sofrem de uma rara doença, em razão da qual não podem receber diretamente a luz do dia, vivendo isoladas. Três novos empregados são contratados para substituir os anteriores, que desapareceram misteriosamente, e precisam aprender regras importantes: a casa tem de estar sempre na penumbra, nunca se deve abrir uma porta antes de fechar a anterior. Mas estas regras são quebradas ao mesmo tempo em que eventos assustadores e sobrenaturais começam a acontecer. Inicialmente, Grace mostra-se relutante em acreditar nas visões assustadoras narradas pela filha, mas logo começa também a sentir a presença de intrusos em sua casa. Para descobrir a verdade, Grace deve deixar todos seus medos e crenças de lado e entrar no mundo intangível do sobrenatural.

Anúncios

Livro dos Espíritos: o início de tudo!

Livro dos Espíritos

Livro dos Espíritos

 

INÍCIO DE TUDO:
O Livro dos Espíritos!

Primeiro livro da codificação de Allan Kardec, publicado em 18 de abril de 1.857, o Livro dos Espíritos abre oficialmente a literatura envolvendo a troca de informações e ideias entre o plano espiritual e o físico. Apesar de a mediunidade ser uma prática antiga na vida da humanidade – a própria Bíblia traz diversas histórias neste sentido – o Livro dos Espíritos é a primeira obra totalmente codificada com base nas respostas e informações totalmente transmitidas pelos benfeitores espirituais.
Fruto de respostas colhidas por médiuns em diversos pontos do planeta, coube a Kardec o trabalho de organizar todo o material. A primeira edição tinha apenas 550 questões, já na segunda esta quantidade havia praticamente dobrado (número este que se manteve até os dias atuais, com pequenas alterações). O Livro divide-se em quatro partes (das quais, posteriormente, derivariam os demais livros da codificação kardequiana).
Primeira parte:
• Causas Primeiras – aborda a noção de Deus, da Criação e dos elementos fundamentais do Universo.
• Pergunta 1: Que é Deus?
• Pergunta 75: É acertado dizer-se que as faculdades instintivas diminuem a medida que crescem as intelectuais?

Segunda parte:
• Mundo Espiritual ou dos Espíritos – analisa a noção de Espírito e toda a série de imperativos que se ligam a esse conceito, a finalidade da existência, o potencial de auto-aperfeiçoamento, a pré e pós-existência (englobando a reencarnação e o período de erraticidade), as relações que estabelece com a matéria e, por fim, analisa os reinos mineral, vegetal e animal.
• Pergunta 76: Que definição se pode dar dos espíritos?
• Pergunta 613: Embora de todo errônea, a idéia ligada à metempsicose não terá resultado do sentimento intuitivo que o homem possui de suas diferentes existências?

Terceira parte:
• Leis Morais – trabalha as Leis de ordem Moral as quais está submetida toda a Criação, quais sejam: Lei de Adoração, Lei de Trabalho, Lei de Reprodução, Lei de Conservação, Lei de Destruição, Lei de Sociedade, Lei de Progresso, Lei de Igualdade, Lei de Liberdade e Lei de Justiça, Amor e Caridade.
• Pergunta 614: Que se deve entender por lei natural?
• Pergunta 919: Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal?

Quarta parte:
• Esperanças e Consolações – trata da questão das penas e dos gozos terrenos e dos experimentados no futuro.
• Pergunta 920: Pode o homem gozar de completa felicidade na Terra?
• Pergunta 1.019: Poderá jamais implantar-se na Terra o reinado do bem?

Curiosidades acerca do lançamento do L.E.:

• Em setembro de 1861, tendo sido encomendados em Barcelona número significativo de exemplares do L.E. tais obras nunca chegaram às mãos de leitores uma vez que o bispo local num “auto de fé” apreendeu e queimou os livros na data de 9 de outubro de 1861.
• Em ato semelhante, a Igreja Romana inclui a obra no Index em setembro de 1861 (catálogo de obras proibidas).
• Contudo, graceja nosso contemporâneo palestrante Divaldo Pereira Franco ao afirmar que tais medidas somente incitaram a curiosidade da população sendo, portanto, a melhor propaganda recebida pelo livro.

Boas vindas

Nasce o Jiz
Não de geração espontânea
Surge com a experiência do passado
Da pedra que trincava a parede da caverna
Do Giz que riscava o quadro de madeira
Da caneta que desenhava na parede branca
Do teclado que projeta letras na tela plana

Nasce o Jiz
Segue o Segue-me
Como pastor abençoado olhando a Estrela
Ombreia o Brasília Espírita
Como caçula de olho no modelo mais maduro

Nasce o Jiz
Com sua carga de emoções e anseios
Pronto para evoluir sempre
Como o homem, ainda princípio
Energia no mineral
Reflexo no vegetal
Instinto no animal
Inteligência no hominal
Puro amor angelical

Nasce o Jiz
Com textos
Com música
Com cinema
Com palavras
Com doutrina
Com dicas
Dúvidas
E busca
Incessante
De respostas

Nasce o Jiz
E a partir de hoje
Como dizia o Apostolo dos Gentios
Ele não mais nos pertence
Pertence a todos
Vocês, eles.
Nós,
Da Juventude Espírita Irmã Zélia

Parafraseando o poeta:
Que não seja eterno
Posto que eterno só Deus o é!
Mas que seja
Infinito enquanto dure!